Editora Novo Conceito

Publicidade

Banner exemplo

A Inspiração de Lev AC Rosen para escrever Sociedade dos Meninos Gênios

15 de Janeiro de 2014 | Mais Conteúdo

­­­­­­­­Para escrever o romance steampunk Sociedade dos Meninos Gênios, o autor Lev AC Rosen buscou inspiração em dois autores clássicos: Shakespeare e Oscar Wilde.

Sociedade dos Meninos Gênios nos transporta para uma Londres do passado com um toque futurista. Violet é uma menina inteligente que deseja ir para Illyria, uma Universidade só para meninos. Para que seu sonho se torne realidade, Violet troca de lugar com Ashton, seu irmão gêmeo, e ingressa na faculdade mais prestigiada de Londres.

Quem ler o livro de Lev AC Rosen e conhecer o enredo de Um Conto de Reis, de Shakespeare, e A Importância de ser Honesto, de Oscar Wilde, irá reconhecer muitos dos personagens e diálogos dos autores clássicos. As histórias dos grandes autores se entrelaçam com a criação de Rosen, transformando Sociedade dos meninos Gênios  em um livro único.

A inspiração de criar um romance steampunk com a influência de dois autores clássicos começou com a admiração de Rosen por Oscar Wilde. Lev AC Rosen estudou intensamente a vida e as obras desse autor, pois de alguma maneira queria que sua história fosse inspirada pelo humor vitoriano de Wilde. Ao escolher A Importância de ser Honesto, Rosen sabia que iria enfrentar um grande problema: o enredo era muito pobre para que se transformasse em uma base sólida para seu livro.

Para Rosen, a trama de Oscar Wilde falava sobre dupla personalidade, mentiras e amores. Sobre Jack, que se passava por Ernest, e Algernon, que dizia visitar um amigo chamado Burbury. E sobre Cecily, sobrinha de Jack, e seu encantamento com Algernon, que se fez passar por outra pessoa quando a conheceu. Para o teatro o enredo era ótimo, mas não serviria como eixo temático.

Lev AC Rosen queria que seu livro também tivesse um lado maluco e científico, foi então que pensou em H. G. Wells e Julio Verne, mas acabou achando que não seria muito criativo de sua parte usar um desses autores.

E então veio a idéia de recorrer a Shakespeare, que, de acordo com Rosen, é a voz pós-moderna que contem enredos que continuam servindo para os dias de hoje. Para ele, Shakespeare pode até não ter criado todas as tramas, mas as pessoas continuam se identificando com os arquétipos que construiu.

Rosen queria uma comédia, já que a maioria dos romances steampunks é voltada para o lado sério. Primeiro pensou em Sonho de uma Noite de Verão, mas não queria enfrentar o mesmo problema que teve com Wilde. Então pensou em Noite de Reis e no reino de Illrya, na história de Sir Toby e da serviçal Maria, na troca de identidades que ocorre no clássico de Shakespeare, se entrelaçaram facilmente com o lado retrofuturista do próprio autor e com a história de Oscar Wilde.

Ele começou a pensar em Viola, personagem de Noite de Reis que seria Violet obrigada a se transformar em homem para conseguir entrar em uma universidade científica maluca só para homens. Mesmo que na era vitoriana as mulheres já começassem a ingressar na faculdade, Lev AC Rosen pensou: “E se... E se houvesse apenas uma universidade que não admitisse mulheres?”. Assim começou uma história que se passa na antiga Londres com tecnologia de primeira, cheia de aventura, mistério, chantagem, ficção científica e confusões amorosas que se chamou Sociedade dos Meninos Gênios

 

Nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar

avatar novo conceito

Cadastrando sua mensagem, por favor aguarde...

Receba nossa newsletter

Fique por dentro das novidades

Grupo Editorial

Novo Conceito

UMA EQUIPE JOVEM, pronta para DESTACAR-SE NO MERCADO PUBLICAndo CONHECIMENTOS, lançando autores E FAZEndo HISTÓRIA.

  • Emily Giffin

    UMA PROVA DE AMOR

    Emily Giffin