Editora Novo Conceito

Publicidade

Banner exemplo

A importância da pesquisa na escrita

21 de Maio de 2014 | Graciela Mayrink

Muitos leitores me perguntam se sou praticante da Wicca, pela maneira como falei sobre a religião em Até eu te encontrar. É uma pergunta a qual já estou acostumada, que escuto com bastante frequência, e a resposta é sempre a mesma: não, apenas pesquisei muito para escrever a história.

Para ser escritor, você precisa gostar de ler, escrever (claro) e também pesquisar. Sim, prepare-se, a pesquisa faz parte da rotina da criação de um livro. Até nas histórias mais simples elas estão presentes, e o leitor percebe quando o autor simplesmente deixou de lado determinado assunto, não dando a atenção que ele merece.

Se você vai falar sobre algum assunto específico, pesquise, e muito! Eu li bastante sobre a Wicca, tanto em livros especializados no assunto quanto nos de ficção e websites na internet. Hoje em dia, o Google é um excelente aliado do escritor, basta digitar algumas palavras e pronto, está tudo ali ao alcance de um clique.

Na época em que estava escrevendo Até eu te encontrar, virei quase uma expert em Wicca, só que muita coisa não foi aproveitada por não se encaixar no que eu queria. E a pesquisa é assim, você lê muito, fica por dentro de tudo relacionado ao tema, mas no final vai aproveitar uns 10% do que descobriu. Só não pense que é tudo em vão. Quanto mais souber sobre uma determinada questão envolvendo seu livro, melhor conseguirá introduzi-la na história, de modo que a abordagem se torne algo natural. Você precisa falar com propriedade, sem superficialidade. Precisa virar um especialista no assunto para que o leitor não se sinta perdido e veja na hora que você não entende nada daquilo.

Para o meu segundo livro, optei por me arriscar e escrever uma história narrada em primeira pessoa por um garoto de 20 anos. E como fazer isso? Pesquisando! Li muitos livros narrados por personagens masculinos que foram escritos por homens, para entender como funciona esta abordagem. Não quis criar um personagem seco, que não se assemelhasse ao mundo literário. A pesquisa me ajudou a entender o tipo de história que deve ser contada por um garoto e como meus leitores gostariam de ver isto sendo feito. Não é uma cópia dos livros que li, a pesquisa não é feita desta forma. É apenas um material de estudo para criar um personagem no meu estilo de escrita. Espero ter dado certo e que vocês amem o que vem por aí.

Já no terceiro livro, a pesquisa existe, estará presente, mesmo que nas pequenas coisas. Semana passada escrevi um pequeno conto em que também utilizei os mecanismos de buscas da internet. Não consigo criar uma história sem a ajuda do Google. Gosto de ler sobre diversos assuntos que estarão presentes nos meus livros, e que provavelmente o leitor nem vai imaginar o quanto pesquisei sobre aquilo. Mas no final, o que importa é o romance ficar com uma base sólida e se transformar em uma história que agrade ao público.

Até a próxima semana!

2 pessoas comentaram

Deixe seu comentário

avatar novo conceito

Cadastrando sua mensagem, por favor aguarde...

Tony Ferr

Tony Ferr - 23 de Maio de 2014 às 11:17

Ótima coluna! Eu também faço isso quando estou escrevendo meus livros, e realmente você está corretíssima!!! Ansioso para ler o seu próximo livro!!

Compartilhar via Facebook Logar via Twitter

Cadastrando sua mensagem, por favor aguarde...

Bia Carvalho

Bia Carvalho - 23 de Maio de 2014 às 11:11

Pesquisa é fundamental. E eu acho uma das partes mais gostosas do processo de criação de um livro :)

Compartilhar via Facebook Logar via Twitter

Cadastrando sua mensagem, por favor aguarde...

Receba nossa newsletter

Fique por dentro das novidades

Grupo Editorial

Novo Conceito

UMA EQUIPE JOVEM, pronta para DESTACAR-SE NO MERCADO PUBLICAndo CONHECIMENTOS, lançando autores E FAZEndo HISTÓRIA.

  • Emily Giffin

    UMA PROVA DE AMOR

    Emily Giffin